Login MENU

O mercado e-commerce fragmentado e fortalecendo micros e pequenos negócios.

Vale muito a pena investir e insistir nesse mercado e-commerce:

 

Temos visto o mercado e-commerce tomando espaços e movimentando quantias vultuosas, a cada ano o fechamento só tem crescido, ultrapassando hoje bilhões de reais no mercado Brasileiro.

Quem nunca pesquisou ou já comprou alguma coisa pela internet ou já fez alguma transação financeira via internet, não é mesmo!
O mercado está aquecido, não se fala em crise e nem temos visto quantias estagnadas ou retrocedendo com o passar do tempo, o que vemos é crescendo e atraindo cada vez mais adeptos cada vez mais consciente e mais seguro na hora de efetuar um bom negócio e é justamente aí que vemos um volume de negócios crescendo e que antes era um bicho de sete cabeças.

O micro e pequeno negociante, quando falávamos a alguns anos atrás sobre e-commerce a esse público, parecia que jamais iria ser inserido nesse nicho de negócios, mas o tempo passou e vemos que a cada ano que se passa, maior é o número de empresas que aderem a sistemas de vendas pela internet e softwares de gestão online, pagamentos de contas e recebimentos, vemos que é um mercado aquecido e com clientes cada vez mais exigentes, qualitativos e quantitativos, isso faz com que os prestadores de serviços sejam mais eficientes em suas formas de oferecerem produtos ou serviços, assim como o retorno é certo as ações devem ser assertivas também, não podemos exigir resultados sem oferecer segurança e qualidade aos clientes internautas.

OS BAIRROS, sim podemos falar de comércio local com força de grandes metrópoles, a plataforma do e-commerce proporciona ao pequeno negociante estar em evidência, podendo ser visto aonde era impossível, mas para isso é preciso se qualificar, caso contrário estará sempre na sombra daqueles que estão se atualizando e seguindo um processo de evolução de mercado.

Mas como entrar em um negócio que é muito complicado?
Essa é uma das negativas dos pequenos comércios e tem sido nos últimos tempos a desculpa mais dada para evitar o passo necessário rumo ao negócio do futuro , estar na internet, fazendo o comércio on-line.

 

Veja o que esse artigo do portal Terra diz sobre os números:

Mercado de e-commerce cresce 9,23% no Brasil e alcança 600 mil lojas.

Luiz Mazetto

29 de junho de 2017 - 18h33

Segundo estudo publicado pelo PayPal, mercado estaria mais maduro. No entanto, tempo médio de vida das lojas ainda é baixo: 6 meses.

http://idgnow.com.br/idgimages/ecommerce_625.jpg

O mercado de e-commerce registrou crescimento de 9,23% no número de lojas entre junho de 2016 e junho de 2017, de acordo com uma nova pesquisa publicada pelo PayPal nesta quinta-feira, 29/6. Intitulado “O Perfil do E-commerce Brasileiro 2017”, o estudo feito pela BigData Corp a pedido do PayPal aponta que o país superou a marca de 600 mil sites de e-commerce, em comparação com 547 mil no ano anterior – e 360 mil no cada vez mais longínquo ano de 2014.

Apesar de ainda significativo, o crescimento é menor do que o registrado em 2016 e 2015, quando o setor cresceu, respectivamente, 21,52% e 24,67%. Segundo o relatório, essa taxa mais baixa de crescimento acontece, em parte, porque o mercado brasileiro de e-commerce está mais maduro. 

“Vejo isso com bons olhos. Um mercado maduro é melhor para o consumidor e para o sistema como um todo”, explica o CEO da BigData Corp, Thoran Rodrigues, que destaca ainda que o tempo médio de vida de lojas on-line no país dobrou de 3 meses para 6 meses no último ano.

Sites de grande visitação “explodem”

Outro ponto importante do estudo é o fato do número de e-commerces de grande visitação, com mais de 500 mil visitas mensais, ter basicamente explodido neste último ano, passando de 0,76% para 14,77% do total de lojas virtuais no país. 

Entre os motivos para esse boom estão o crescimento do uso de mídias sociais “alternativas” – que não seja o Facebook, basicamente – como plataformas de divulgação desses sites. Os grandes exemplos de redes “alternativas” que cresceram neste segmento no último ano são o YouTube, do Google, e o Instagram, do próprio Facebook. (fonte: portal terra.com.br)

 

O mercado exige e seleciona

 

É preciso entender as necessidades do mercado, atender aos anseios desse público e prepararmos os nossos negócios para atender essa demanda, é como uma peneira que filtra o que é bom e o que não é bom é jogado fora.

Quantas vezes não ouvimos a frase, me passa o seu e-mail, ou me passa o seu website, ou ainda, você tem como te achar na internet? Essas perguntas depois de respondidas, agora passa pela análise do cliente e determina se ele vai ou não fidelizar o negócio, é a efetivação da compra e a indicação do seu e-commerce que define um cliente satisfeito com alguns critérios como;
* E-commerce prático e dinâmico que facilite a logística de navegabilidade.
* Agilidade no atendimento online, dar o suporte e retornar assim que for contatado.

* Segurança é imprescindível, o maior índice de reclamações é a falta de segurança.

* Qualidade no atendimento, no produto e na assistência pós-venda, afinal a satisfação gera a fidelização.

* Profissionalismo ao entender a necessidade do mercado em que atua e estudar as soluções prováveis, isso te destacará.

Temos outras dicas, mas agora fica para outra postagem, espero que curtam e comentem.

 

Escrito por: Edimilson C. Souza; em 14/09/2017. 

 


Compartilhe: